Pensadouro (II)

O intento do desdém é simples.
Eu quero e não abro mão
Eu posso porque já vi muita coisa nessa vida.
Miríades de pessoas loucas, com falas loucas
E muito estupidamente ignorando que são récua, gado e matilha
Como convém aos meios de comunicação.
Por isso posso, quero e faço atribuir desprezo:
Porque vejo que compreendem a desumanização
Mas não se importam consigo
Zoomórficos, meus contemporâneos,
Será que a falta de acesso ainda te serve de desculpa?
Atentem! Atentem!

Advertisements

Posted on 26/09/2013, in Portuguese, Verse. Bookmark the permalink. Leave a comment.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: